O Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI), um dos principais thinks tanks do mundo, agora sob a presidência de Rafael Benke, promove o seminário “A Nova Arquitetura do Comércio Internacional: onde está o Brasil?”, que será realizado no dia 7/12, segunda-feira, das 10h às 13h, na Associação Comercial, no Centro do Rio de Janeiro. O debate reunirá os maiores especialistas brasileiros na área de comércio exterior, como o Embaixador Luiz Felipe Lampreia; Embaixador José Alfredo Graça Lima; Embaixador Carlos Márcio Cozendey; Daniel Godinho, secretário do Comércio Exterior no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC); Diego Bonomo; Mario Marconini. Os empresários Carlos Mariani Bittencourt, vice-presidente da Firjan; e Daniel Klabin, membro do Conselho de Administração do CEBRI; além do Embaixador Luiz Felipe de Seixas Corrêa; a empresária Talita Brito, presidente da Camara Economica Europeia no Brasil e o Embaixador José Botafogo Gonçalves, vice-presidente emérito do CEBRI, confirmaram presença no evento.

Personalidades brasileiras de destaque no cenário internacional gravaram depoimentos em vídeo para enriquecer o debate, como Paulo Sotero, diretor do respeitado Brazil Institute do Woodrow Wilson International Center for Scholars, em Washington; Tatiana Prazeres, ex-secretária de comércio exterior do Brasil e assessora sênior de Roberto Azevedo, diretor-geral da OMC; Victor do Prado, diretor da OMC; Aluisio de Lima Campos, professor da Washington College of Law; Carlos Braga, professor da International Political Economy, International Institute for Management Development e Evian Group, Suíça; e Marcos Jank, especialista em questões globais do agronegócio.

A formação de grandes blocos tem modificado a arquitetura do comércio global. A Aliança do Pacífico, que abrange Estados Unidos, Canadá, Coreia do Sul, Austrália e países da América do Sul, cobre 40% do PIB global e cerca de um quarto do comércio internacional.  O TTIP (Transatlantic Trade and Investment Partnership), com Estados Unidos e União Europeia, envolve 50% do PIB global e cerca de 40% do comércio internacional. Nesse contexto, Benke convida a discutir qual o papel do Brasil, além dos riscos e oportunidades para o país voltar a ocupar posição de destaque no cenário global.

Agencia Brasil